A review by anothersarahere
Caliban and the Witch: Women, the Body and Primitive Accumulation, by Silvia Federici

5.0

a caça às bruxas raramente surge na história do proletariado e da luta de classes. de facto, a perseguição de que as bruxas foram alvo foi completamente apagada da história. não é por acaso que até hoje é um dos fenómenos menos estudados da história. ao mesmo tempo, a história das bruxas transformou-se numa lenda urbana e a figura da bruxa foi ridicularizada: hoje, a cultura popular associa bruxa a uma mulher velha e feia a voar de vassoura e os locais onde estas mulheres foram queimadas vivas e massacradas capitalizam com o turismo.

mas a silvia federici, através deste brilhante trabalho de investigação, reverte este paradigma de esquecimento e lembra a memória duma longa história de resistência. lembra os modos de vida levados a cabo pelas bruxas, os quais eram radicalmente antagónicos aos requeridos pela produção capitalista e, consequentemente, considerados um desafio às estruturas de poder que se impunham na época.

este é um livro revolucionário que devia ser obrigatório para qualquer pessoa interesssada em estudar os primórdios do capitalismo. marx e foucault, ao olharem para a história com um olhar masculino, não conseguiram ver a importância deste momento histórico crucial. é isso que acontece quando se estuda um período histórico sem observar a história das mulheres: dá-se um apagamento do papel das mesmas enquanto sujeitos e agentes históricos, o que resulta em análises defeituosas. a caça às bruxas não se deu neste período histórico por mera coincidência e, por essa razão, este é um livro que nos deixa boquiabertas do início ao fim. como é possível que uma ligação tão óbvia tenha sido desprezada e mandada para o esquecimento durante tanto tempo? felizmente, temos a silvia federeci para nos relembrar da importância de reclamar a figura da bruxa.

bruxas. mulheres livres, poderosas, inteligentes, muito à frente do seu tempo, que recusavam o poder estatal sob os seus corpos e que por isso foram obrigadas a enfrentar o patriarcado, a igreja e o estado. e nós somos as netas das bruxas que eles não conseguiram queimar